Equacionamento da Petros está previsto para o início de 2018

A cobrança das contribuições extras para o equacionamento do déficit do Plano Petros do Sistema Petrobras (PPSP), prevista para começar neste mês de dezembro, foi adiada para janeiro ou no máximo fevereiro de 2018. A informação foi divulgada ontem pela Petros.

O plano de equacionamento foi aprovado pelo Conselho Deliberativo da Petros em setembro, mas a Funda-ção precisa de uma posição oficial da Petrobrás. Antes de iniciar a cobrança, a Petros também precisa aguardar a análise do plano de equacionamento pela Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (Sest), órgão que fiscaliza a Petrobrás e a Petrobrás Distribuidora.

A proposta abusiva, que transfere para os trabalhadores a dívida que é da patrocinadora, se aprovada pela Sest, ainda deve demorar 60 dias para ser colocada em prática.

O Sindipetro-RJ já ajuizou ações contra a proposta e aguarda um pronunciamento da Justiça. É fundamental que petroleiros e petroleiras se mantenham mobilizados na denúncia e resistência contra um equacionamento que considera o que é dívida da Petrobrás como fosse déficit e que mais agrava a situação dos aposentados que sofreram com a fraude salarial implantada pelas direções da Petrobrás com a política de remunerações variáveis (abonos, níveis no ACT e PLR) que, de fato, flexibilizaram a remuneração da ativa que, agora, foram sonegados com “ajustes” nos balanços.

O ataque é contra toda a classe trabalhadora. Vamos à luta em defesa da Petros e contra a Reforma da Previdência!

Comente com o facebook
Compartilhe:


Aumentar a fonte
Alto Contraste