Pesquisador critica o PCR

“O que está em jogo é muito mais que uma mudança de nomenclatura, é a desconstrução de direitos historicamente consolidados no âmbito das categorias profissionais”

Gênesis de Oliveira, professor e pesquisador da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, doutorando do Programa de Pós-graduação em Serviço Social da UERJ, pesquisa as alterações nos planos de cargos e salários no mercado de trabalho e as mudanças em empresas estatais, e atualmente, na Petrobrás.

“O Cargo genérico é uma política de nivelamento de diversas categorias profissionais dentro de um único cargo. Tenho identificado, por exemplo, que gerentes, analistas de política social, técnico de nível superior são cargos que não remetem diretamente a nenhuma profissão e a nenhuma categoria”.

No bojo das reformas de Temer

O pesquisador afirma que a criação de cargos genéricos está alinhada com as reformas neoliberais que retiram direitos dos trabalhadores, como a reforma trabalhista, o projeto de reforma da previdência e a aprovação da terceirização como atividade fim. “As alterações nos planos de cargos e salários pressupõem a desregulamentação das categorias profissionais e dos direitos inerentes a elas. Quando a empresa cria um cargo único, essa mesma empresa pode burlar diversas regulamentações profissionais” – sintetizou o pesquisador.

Assista ao vídeo gravado para a TV Petroleira.

Versão do impresso Boletim LXXXVII – Especial PCR

Comente com o facebook
Compartilhe:
Tags: