Presidente da Petros renuncia após proposta unificada dos petroleiros Walter Mendes

Presidente da Petros renuncia após proposta unificada dos petroleiros

Presidente da Petros renuncia após Fórum em defesa da Fundação apresentar proposta unificada para enfrentar o PED

Mendes, defensor do equacionamento, deixa um legado de dívida para os participantes e assistidos da Petros, um déficit de quase R$ 28 bilhões

No final da tarde de quarta-feira (26), a Petros soltou um comunicado em que informava que Walter Mendes deixava a presidência da Petros, após dois anos à frente da Fundação.

Mendes, defensor do equacionamento, deixa a Petros, segundo maior fundo de pensão do país, para assumir a presidência da Funcesp, maior entidade fechada de previdência complementar de capital privado do Brasil. E deixa um legado de dívida para os participantes e assistidos da Petros, um déficit de quase R$ 28 bilhões.

Coincidentemente, Mendes renunciou ao cargo um dia depois do Fórum de Defesa da Petros (Ambep, Aexap, Aepet, Fenaspe, FNP, GDPAPE e SINDMAR) e a FUP aprovarem uma proposta unificada para enfrentar o atual PED.

“É significativo que a renúncia do Walter Mendes à presidência da Petros tenha acontecido no dia seguinte à reunião do Fórum, que aprovou uma proposta entre todas as entidades sindicais e associativas dos petroleiros, todos os grupos que atuam sobre a Petros”, disse Ronaldo Tedesco, conselheiro eleito da Petros e integrante do Fórum.

“Uma unidade, então, que fortalece a luta da categoria em defesa dos direitos dos participantes, perante a Petros”, avalia Adaedson Costa, diretor da FNP e do Sindipetro-LP.

Agora, o diretor de Investimentos da Petros, Daniel Lima, deve assumir interinamente a presidência da Fundação, passando a acumular os dois cargos.

“É muito importante que o novo presidente da Petros não venha de ‘mercado’, que seja comprometido com um projeto de fundo de pensão para a Petrobrás, alertou Tedesco.

 

Fonte: FNP

 

Comente com o facebook
Compartilhe:


Aumentar a fonte
Alto Contraste