Prorroguem o ACT! Forçar negociação de direitos em plena pandemia é covardia

Não vamos aceitar retiradas de direitos em plena pandemia! Assine a petição, participe das mobilizações e vamos juntos pressionar a empresa para que a vida seja colocada em primeiro lugar!

Estamos vivendo a maior crise sanitária, econômica, social e política das últimas décadas. Ultrapassamos a marca de 2,4 milhões de infectados no país e já perdemos mais de 87 mil vidas. Infelizmente esses números não param de subir.

Enquanto profissionais petroleiros, todos continuamos trabalhando arduamente, com destaque para aqueles das áreas operacionais, que estão colocando as suas vidas e de seus familiares em risco para que não haja desabastecimento para a população.

Estamos esgotados física e emocionalmente. Enfrentamos o desafio de lidar com a dor, a incerteza e o medo da perda. Precisamos nos recuperar, nos recompor e nos reconstruir enquanto trabalhadores e como sociedade.

Precisamos de uma atitude mínima dessa gestão que considere acima de seus números, indicadores, valores de mercado e de ações: a humanidade daqueles que vivem e trabalham incansavelmente pela Petrobrás e dela recebem o sustento para milhares de famílias.

Antes de entrar no mérito daquilo que foi proposto, pedimos apenas a prorrogação do prazo dos atuais termos do nosso ACT.

Entendemos que o mundo todo está se reinventando, refletindo sobre a própria condição humana. Não é tempo de se negociar um novo acordo coletivo porque ainda nem sabemos o que será novo, num novo normal, numa nova sociedade. Estamos juntos nessa, ajude a reforçar esse pedido de prorrogação para que num futuro próximo possamos construir uma proposta coletiva mais justa, construída democraticamente e alicerçada nos valores e necessidades da categoria!

Ajude a levar essa mensagens aos nossos colegas petroleiros!
Assine conosco esse pleito!
Assine aqui a petição!

Compartilhe!

A nossa voz só é ouvida quando todos falamos juntos!

Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), Sindicatos e Comissões de Base.

Comente com o facebook
Compartilhe: