Uso de máscara não está sendo mais controlado no CENPES em momento de recrudescimento da pandemia

Trabalhadores denunciam que unidade não está fazendo controle sobre o tipo de máscara utilizada e não há padronização

Após um ano de início da pandemia, em que foram aplicados protocolos de prevenção, como distribuição e obrigatoriedade de uso de máscaras para quem está em trabalho presencial no CENPES, em específico nas áreas de manutenção, operação e laboratórios, a realidade é que hoje , com o recrudescimento da pandemia, com as suas novas variantes, não está sendo aplicado qualquer tipo de controle e distribuição de máscaras novas e apropriadas na unidade. Estas medidas ao serem aplicadas foram consideradas insuficientes pelo Sindipetro-RJ. A partir da luta da CIPA , o Sindicato apoia (http://sindipetro.org.br/direcao-da-petrobras-restabelece-procedimento-de-testagem-com-espera-do-resultadoanti-covid-19-do-cenpes-apos-ser-questionada-pelos-trabalhadores/) a continuidade das testagens antes da entrada do expediente e pela criação de protocolo para pessoas que testassem positivo, o que não foi considerado procedente pela hierarquia da Petrobrás.

Cabe relembrar que o Sindipetro-RJ logo no início da pandemia teve uma atuação (https://sindipetro.org.br/covid-19-na-petrobras-o-que-o-sindipetro-rj-esta-fazendo/) para criar, de forma conjunta com a empresa, procedimentos e exigir o cumprimentos dos protocolos, mas após diversos encaminhamentos de negociação não teve seus pedidos considerados pela direção da Petrobrás, que após uma reclamação, na época, suspendeu (http://sindipetro.org.br/estado-de-calamidade-petroleira-petrobras-cancela-reunioes-com-a-fnp-sobre-covid-19/ ) as reuniões com o EOR. Agora com o recrudescimento da pandemia, recentemente, a FNP e seus sindicatos filiados pediram abertura de negociações com o EOR, através de um ofício, mas a empresa disse que não está disponível para negociar.

Mas voltando a questão das máscaras no CENPES, a gestão inicialmente disponibilizou para os trabalhadores cinco máscaras, que logo depois receberam mais outras cinco , após o pedido da CIPA local, de modo que tivessem tempo hábil para que as máscaras de pano pudessem ser devidamente lavadas e secas para o próximo uso. Quem está sob regime de turno de 12h necessita trocar a cada três horas, conforme o protocolo. Também trabalhadores terceirizados receberam o material de suas respectivas empresas. Na última reunião da CIPA , foi dito pelas contratadas que algumas estavam fornecendo máscaras melhores.

O problema é que essas máscaras distribuídas pela Petrobrás possuem duas camadas, e não se adequam ao rosto de todos, sendo pequenas com a costura na altura do nariz, apresentando desconforto e insegurança para quem usa. Por isso, muitos trabalhadores preferem usar máscaras próprias, trazidas de casa.

Diversos estudos divulgados recentemente que contraindicam o uso de máscaras de pano em ambientes de trabalho e em aglomerações, indicando o uso de máscaras modelo N95. Que a gestão do CENPES atualize os protocolos preventivos e distribua máscaras adequadas e retome os protocolos de controle nos ambientes de trabalho da unidade.

É preciso frisar que a não cobrança da padronização das máscaras dos funcionários não é algo exclusivo do CENPES, e sim de toda a Petrobrás. A padronização foi uma solicitação de todos os sindicatos e federações, mas a Petrobrás sempre se negou a conversar sobre isso.

Checklist do ambiente de trabalho

O Sindicato orienta todos os trabalhadores que estão atuando presencialmente a realizarem conjuntamente o checklist anexo (https://sindipetro.org.br/wp-content/uploads/2020/05/CHECKLIST_AMBIENTE-DE-TRABALHO-SINDIPETRO-RJ.pdf ) por unidade de trabalho, marcando as situações em que o seu ambiente está enquadrado ou não. Preencha e envie o checklist com evidências de qualquer situação de descumprimento para o e-mail contato@sindipetro.org.br ou para o WhatsApp do diretor sindical da sua base.

Comente com o facebook
Compartilhe: