Vigilantes terceirizados continuam sem receber

Como já informamos , a Esquadra, que estava como empresa terceirizada na área de vigilância patrimonial, abandonou o contrato e deu um calote nos trabalhadores. Não pagou os salários e os demais encargos trabalhistas relativos a metade de dezembro de 2020 e a janeiro deste ano.

A Petrobrás pediu aos vigilantes terceirizados que não abandonassem os seus postos de trabalho e garantiu que eles seriam pagos. Eles aceitaram, confiando na palavra da hierarquia e também por receio de ficarem marcados, pois sabem que são comuns represálias, que, evidentemente, não deveriam existir. Sem receber (nem sequer vale transporte e tíquete refeição), muitos precisaram recorrer a empréstimos, em condições ruins, e todos, de qualquer forma, uns mais outros menos, estão amargando um momento especialmente complicado, inclusive com dificuldade para sustentar a casa. A Petrobrás tem, pelo que soubemos, uma vultosa soma retida do contrato com a Esquadra. Mas até agora, apesar do tempo decorrido, ainda não utilizou esse recurso para que os trabalhadores recebam.

Nesta segunda, 1º de março, está marcada uma audiência no Ministério Público com o Sindicato dos Vigilantes do Rio de Janeiro e a Petrobrás. O Sindipetro-RJ segue atento à situação. Ressaltamos que todos os trabalhadores precisam ser completamente pagos, e logo. Outro problema grave é que a Front, empresa terceirizada que pegou o contrato de forma emergencial, não aproveitou uma parte considerável dos vigilantes. Ou seja, essas pessoas, além de não terem recebido, ficaram desempregadas, com o agravante disso ter acontecido num momento de pandemia e de desemprego especialmente alto. Lembremos que, ao longo dos últimos anos, já houve uma diminuição do número de vigilantes terceirizados na Petrobrás no território que corresponde à base representada pelo Sindipetro-RJ. Diminuir ainda mais tende a prejudicar as condições de trabalho dos vigilantes. O Sindipetro-RJ defende que todos os trabalhadores sejam aproveitados.

E perguntamos: qual é a margem de lucro da Esquadra nesse contrato? E da Front? Por que, em média, o salário básico de um vigilante terceirizado nesse contexto está em torno de 1500 reais. Tem sido recorrente calotes em trabalhadores terceirizados, especialmente os da base da pirâmide da terceirização. A hierarquia da Petrobras não é obrigada a terceirizar. Trata-se de uma escolha. Garantir que os trabalhadores sejam pagos em dia e possam trabalhar em condições dignas é, nesse sentido, um dever para a Petrobrás.

Comente com o facebook
Compartilhe: