Bradesco precifica REFAP em leilões das refinarias da Petrobrás

Para quem acha que a privatização das refinarias da Petrobrás vai ficar apenas no sonho de Roberto Castello Branco, a realidade mostra que o representante do governo Bolsonaro na empresa vai entrar para a história como o presidente da estatal que mais atuou contra a estatal, o desenvolvimento do país e o povo brasileiro. Nesta quinta (03), a Petrobrás divulgou propostas vinculantes para quatro refinarias: REMAN, LUBNOR, SIX e RLAM.

Pelo menos dois bancos já demonstraram alto interesse no acompanhamento dos investimentos na estatal: Itaú BBA e Bradesco BBI. Em comunicado, a empresa informou que espera receber propostas vinculantes para a REPAR e REFAP até o próximo dia 10.

Para defender seu “sonho”, Castello Branco divulga que mesmo com a venda de 8 refinarias das 13 que a empresa possui hoje, a Petrobrás será capaz de manter sua produção de petróleo nos 2,3 milhões de barris por dia. Mas, e o refino?

Nesse projeto privatista, o povo brasileiro ficará completamente refém das importações e/ou das empresas privadas que irão “ganhar” as refinarias com toda a estrutura pronta, incluindo terminais em leilões como os da REFAP e REGAP que estão previstos para o primeiro trimestre de 2021.

Para o Bradesco, por exemplo, segundo informações publicadas pelo site InfoMoney, o patamar ideal no leilão da REPAR deve ser de U$ 2 bi. E segundo o site dedicado a investidores : “qualquer preço abaixo disso deve ser interpretado pelo mercado como positivo. E acima disso, é potencialmente negativo”.

O Sindipetro-RJ está na luta contra as privatizações das refinarias da Petrobrás.

Comente com o facebook
Compartilhe: