Na Bahia em defesa da refinarias, contra a entrega da RLAM

Nesta sexta (19), pela manhã, em mais um dia de mobilização em defesa do refino petroleiros da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP) e da Federação Única dos Petroleiros (FUP) uniram forças em um ato na Refinaria Landulpho Alves (RLAM), Bahia.

“São bilhões, trilhões que estão em jogo por conta da entrega do patrimônio e do petróleo do Brasil. Não é só a defesa dos nossos empregos, é também pela educação , a defesa da saúde, a defesa da moradia e a defesa de um futuro digno do nosso país”  – disse Natalia Russo em fala no ato que teve início às 6h da manhã.

O movimento faz parte de um calendário de lutas organizado pelas duas federações que uniram forças contra a política de desmonte do atual governo e pelo Acordo Coletivo da categoria, como registrou no ato o diretor do Sindipetro-RJ, base Tebig, Sérgio Paes.

“A FNP e a FUP anteciparam seus congressos por causa do fim da ultratividade das normas coletivas, e há dois meses que a Petrobrás só faz enrolar, enrolar…  Então a luta é agora: seminário da greve já! E vamos à luta com toda a força contra essa proposta indecente de ACT e contra o desmonte da Petrobrás – disse.

 

Além RLAM da estão na mira do governo as refinarias: Abreu e Lima (RNEST, Pernambuco), Unidade de Industrialização do Xisto (SIX, no Paraná), Landulpho Alves (RLAM, Bahia), Gabriel Passos (REGAP, MG), Refinaria Presidente Getúlio Vargas (REPAR, Paraná), Isaac Sabbá (REMAN, AM), Lubrificantes e Derivados de Petróleo do Nordeste (Lubnor) e os ativos logísticos integrados e Alberto Pasqualini (Refap), em Canoas, no Rio Grande do Sul.

Fonte: Sindipetro-LP

 

Comente com o facebook
Compartilhe: