#18A marca o dia de repúdio ao desmonte do serviço público promovido pelo governo Bolsonaro

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Petroleiros participaram no Rio das mobilizações levando as faixas pela redução dos preços dos combustíveis e contra as privatizações, mas chamando a atenção para a necessidade de esclarecer a população que não é uma reforma, mas sim, mais corrupção, pois se quer ampliar a atuação de OS’s – que já vimos nas páginas policiais com escândalos bilionários, bem como a livre indicação a cargos públicos – que temos o exemplo do absurdo dos guardiões do Crivella

Nesta quarta-feira (18/08) diversas categorias do serviço público das esferas municipais, estaduais e federais realizaram um conjunto de mobilizações em que ocorreram greves e protestos contra a famigerada PEC 32/2020 que propõe a “Reforma Administrativa”. Os Sindipetros filiados à FNP integraram as mobilizações com agitações, assembleias e atrasos em suas bases.

A proposta extingue a estabilidade de futuros servidores públicos (com exceção das carreiras de Estado).

Imagine se o delegado da polícia Federal que denunciou o ex-Ministro Ricardo Salles ou o servidor do Ministério da Saúde que denunciou a cobrança de propina da COVAXIN não tivessem estabilidade… provavelmente, sem a perda do emprego não poderiam defender a população da corrupção.

A deforma amplia a possibilidade de contratação de comissionados – lembra dos Guardiões do Crivella e do Cláudio Costa? – e reduz a realização de concursos , mesmo havendo necessidade de pessoal em todo o serviço público. Ainda, acaba com benefícios e garantias previstas — como adicionais por tempo de serviço e promoções automáticas —, afetando, também, os trabalhadores das estatais, inclusive os trabalhadores concursados da Petrobrás.

Além do desacordo com o texto da PEC 32/2020, que tramita na Câmara dos Deputados e pode ser votado ainda neste mês, manifestantes e entidades reivindicam o auxílio emergencial no valor de pelo menos R$ 600, a diminuição do desemprego, a ampla e irrestrita vacinação contra COVID-19 em todo o Brasil e a imediata interrupção dos processos de desestatização do governo, como o dos CORREIOS e mesmo o votado contra a ELETROBRÁS.

No Rio de Janeiro, os representantes de diferentes categorias profissionais compareceram ao ato de caráter nacional que ocorreu em 21 capitais do país. Com a presença de servidores da educação saúde, trabalhadores dos Correios, servidores da Justiça e da Empresa Brasil de Comunicação (EBC). A organização do 18A no Rio estima que cerca de 5 mil pessoas participaram do ato de rua.

O 18A integra o calendário de mobilizações da Campanha Fora Bolsonaro. Agora é preciso voltar às ruas no dia 7 de setembro. Mais do nunca é necessário dar uma resposta nas ruas aos atos em defesa do golpe militar convocados por Bolsonaro! É preciso que as ruas expressem o sentimento da maioria do povo brasileiro que não quer a volta da ditadura e quer o “Fora Bolsonaro!”. Enquanto ele testa seu apoio nas forças armadas, brinca e erra, os trabalhadores não podem confiar, senão nas próprias forças.

Próximas mobilizações:

7 DE SETEMBRO – GRITO DOS EXCLUÍDOS

28 de agosto – Mutirão Nacional pelo “Fora Bolsonaro, em preparação ao Grito dos Excluídos

Destaques