Centrais sindicais repudiam minirreforma que ataca direitos dos trabalhadores

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Por Rosa Maria Corrêa

Deputados se aproveitaram de programa emergencial COVID-19 para inserir “jabutis” que alteram leis trabalhistas

Na terça (24), organizações sindicais estiveram em Brasília e se reuniram com o presidente do Senado para discutirem a Medida Provisória 1.045/2021, que foi acrescida de trechos que extrapolam o assunto original (os “jabutis”) e caso aprovada pelo Senado vai virar lei ordinária, modificando a lei vigente.

Os dirigentes sindicais reforçaram a posição de que a MP é extremamente nefasta e irá agravar o desemprego e as condições de trabalho no país. E defenderam que o Senado precisa barrar a MP que representa a retirada de direitos dos trabalhadores. Entre as graves inclusões estão mudanças na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e definição de quem pode contar com gratuidade no acesso à Justiça.

O Novo Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (Medida Provisória 1045) foi enviado pelo desgoverno ao Congresso, em abril desse ano, para a recriação de medidas em razão da pandemia de COVID-19. Porém, quando a MP foi editada eram 25 artigos, mas os deputados apresentaram destaques e outros 68 artigos foram incluídos transformando a MP em uma minirreforma trabalhista. Os “jabutis” foram inseridos no relatório final do deputado Christino Áureo (PP-RJ), que recebeu críticas por promover mudanças permanentes nas leis trabalhistas (CLT) com o apoio da base do governo Bolsonaro.

No dia 10/08, a Câmara aprovou essa MP, a toque de caixa, por 304 votos a 133. Agora, ela está tramitando no Senado, mas os trabalhadores estão se mobilizando. Em nota oficial, assinada por lideranças de 11 centrais sindicais, foram listados pontos principais prejudiciais aos trabalhadores:

– possibilidade de o trabalhador com contrato de trabalho suspenso contribuir como segurado facultativo, conforme as alíquotas estabelecidas para o segurado obrigatório (art. 18 do PLV). É o empregador que deve pagar a contribuição previdenciária, e não o trabalhador, em momento de pandemia e dificuldades financeiras, com redução salarial;

– instituição do Programa Primeira Oportunidade e Reinserção no Emprego – Priore (arts. 24 e seguintes do PLV). O Programa traz à tona dispositivos da MP nº 905, MP da Carteira Verde-Amarela. A alteração configura matéria totalmente estranha ao texto original da MP nº 1.045 e não guarda relação alguma com as medidas excepcionais e transitórias contidas na MP;

– criação do Regime Especial de Trabalho Incentivado, Qualificação e Inclusão Produtiva – Requip (arts. 43 e seguintes do PLV) e a inclusão do Programa Nacional de Prestação de Serviço Social Voluntário. Também matéria estranha ao texto original da MP. Mesmo com objetivo social relevante, o programa promove a exploração da mão de obra, subvertendo o direito ao trabalho assegurado como direito social pela Constituição; e

– alteração de vários artigos da legislação trabalhista atual, recuperando dispositivos da MP nº 905 e da MP nº 927, também matérias estranhas ao texto original da MP nº 1.045. Há graves modificações nas normas que definem gratuidade da justiça, afetando, consequentemente, o direito de acesso à Justiça, fundamental em momento de pandemia e crise econômica, com a ocorrência de muitas demissões. Além delas, alterações substanciais no tocante à fiscalização do trabalho e extensão de jornada.

Conheça o Manifesto das Centrais Sindicais na íntegra: https://download.uol.com.br/files/2021/08/1462560450_nota-das-centrais-sindicais-mp-1045-11.08.2021.pdf

Veja o vídeo que avalia a reunião das Centrais no Senado: https://youtu.be/B3Ays1RKgX4

Para a Medida Provisória não perder a validade, o prazo para a votação no Senado é até o dia 9 de setembro. As Centrais Sindicais reivindicam que o Senado a deixe caducar ou vote contra.

Destaques