Comperj: Sindipetro-RJ cobra soluções para demandas de trabalhadores

Em reunião realizada no Edise nesta terça-feira (11) entre representantes do Sindipetro- -RJ,da Gerência do Comperj e do RH foram discutidos temas que haviam sido pautados com os trabalhadores no Dia Nacional de Luta em 10 de agosto.

Terceirização da casa de força

O sindicato relatou que, segundo informes, a empresa já estaria passando por um processo de licitação para terceirizar a operação e manutenção do sistema da casa de força da unidade, que está em construção. Por sua vez, os representantes da empresa alegaram não ter informações sobre essa questão. O Sindicato reiterou que não vê necessidade para terceirização, pois a Petrobrás possui expertise o suficiente, com quadro efetivo especializado, já que este tipo de serviço é operado por funcionários próprios em diversas unidades semelhantes ao Comperj. Além disso, a terceirização aumenta a rotatividade, precariza as relações de trabalho e pode comprometer a segurança operacional que é muito maior quando há um acúmulo de conhecimento e integração entre as atividades diretamente na produção e na casa de força o que ajuda nas respostas à emergência, por exemplo.

Criação de um CEPE

A criação de um Clube de Empregados da Petrobrás (CEPE), com apoio da Petrobrás, para os empregados da unidade também foi apresentada como demanda pelo Sindicato, haja vista os péssimos índices de ambiência dos trabalhadores do Comperj. O encaminhamento deste processo na gestão anterior estava avançado já com a localização de uma área com infraestrutura que está em condições de uso após pequenas intervenções. A Petrobrás se comprometeu em procurar a área responsável pelo contato com os CEPEs, a Comunicação Institucional, e os representantes do Sindicato se comprometeram a regastar o histórico de discussões anteriores para retornar o assunto na próxima reunião.

Problemas com o Mobiliza

O Sindipetro-RJ relatou queixas dos empregados do Comperj que informam ter dificuldades em efetivar suas transferências para outras unidades, alegando que os gerentes demoram nas liberações das pessoas que acabam por perder as oportunidades. Os representantes da empresa disseram reconhecer o problema, e que a dificuldade maior era que não tinham autorização para abrir vagas no Comperj substituindo as pessoas, mas isso estaria melhorando. Foi informado pela Petrobrás que na véspera (dia 10 foram autorizadas a abertura de sete vagas. O sindicato reforçou que sete transferências não resolveriam o problema mais geral. Sobre essa demanda, foi combinado entre as partes a discussão com a base sobre os casos concretos de transferência na próxima reunião para encontrar uma solução.

Comissão Paritária e comissão local de SMS

A relação da Gerência do Comperj com o Sindipetro-RJ foi debatida e ficou estabelecida a criação de uma Comissão Paritária, com reuniões periódicas, para buscar soluções nas demandas apresentadas pelos empregados. Também será debatida a constituição de Comissão Local de SMS tal como previsto em ACT na cláusula 71. Outro ponto apresentado pelos representantes do Sindipetro-RJ foi a dificuldade de acesso à unidade, pois seus representantes não conseguem rodar a unidade para conversar com os trabalhadores. O sindicato irá enviar os nomes dos representantes para a liberação da entrada e na próxima reunião serão pactuadas as regras.

Alerta de possível poluição

Por último, foi apresentado aos representantes da Petrobrás um alerta para um possível problema no processamento do gás natural que é oriundo do Pré-Sal. Empregados alertam que como a planta industrial do Comperj é semelhante ao Terminal Cabiúnas, já que contam com UPGN, podem se repetir situações como daquela unidade em que o processo exala um forte cheiro e muitas pessoas ficam com mal-estar apresentando náuseas e vômitos. Além disso, há relatos de mortes de pássaros que vivem na região de Cabiúnas, o que pode se repetir no Comperj, configurando um possível crime ambiental. De acordo com o gerente geral da unidade será averiguado o problema. Uma nova reunião no Comperj está agendada entre os representantes do Sindipetro-RJ e a gerência da unidade no dia 23 de outubro, para que a Petrobrás apresente propostas para atende às demandas apresentadas pelo Sindicato.

Versão do impresso Boletim LXXXIX

Comente com o facebook
Compartilhe: