Greves e Mobilizações pelo Brasil e Mundo – Jan/2020

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

França, Casa da Moeda, Aumento da Tarifa SP, Educação do Rio Grande do Sul, Índia

No último sábado (11/1), o governo francês anunciou um recuo na tentativa de aumentar (de 62 para 64 anos) a idade mínima exigida como condição para a aposentadoria integral dos trabalhadores. A chamada “idade de referência” ou “idade-pivô” era um dos pontos centrais da reforma da previdência proposta pelo governo da França.

O recuo do governo aconteceu após mais de um mês de greves no transporte público e de uma greve geral, além de vários dias de manifestações em todo o país. Especialmente nos dias 9, 10 e 11 deste mês as mobilizações foram de grande força, mostrando aos trabalhadores de outros países, inclusive do Brasil, a única forma de efetivamente mudar a correlação de forças e barrar os cortes de direitos: a realização de greves e o enfrentamento das políticas de governos e patrões.

As organizações sindicais francesas, como CFE-CGC, CGT, FO, FSU, Solidaires, UNEF, UNL e MNL, exigem a manutenção do sistema de pensões existente por solidariedade e distribuição intergeracional e por anuidade.  Por isso continuam na perspectiva de ampliar ainda mais a mobilização por greve e manifestações a partir da próxima semana, com o objetivo de obter a completa retirada do projeto do governo e abrir verdadeiras negociações sobre empregos, salários e fim da precariedade.

Contra a privatização da Casa da Moeda, trabalhadores ocupam a empresa

Trabalhadores da Casa da Moeda do Brasil (CMB) ocuparam a sede da empresa, no Rio de Janeiro, na última sexta-feira (10/01), contra a retira de direitos e a privatização, prevista em Medida Provisória assinada por Bolsonaro em novembro do ano passado. Durante a ocupação, a direção da CMB chamou a polícia, o que porém não demoveu os trabalhadores, que só saíram à noite, realizando em seguida um ‘abraço simbólico’ à instituição, que é empresa pública vinculada ao Ministério da Economia.

Além de rejeitarem a privatização, os trabalhadores querem a saída imediata do diretor da CMB, Fábio Rito. Entre os direitos ameaçados de corte estão o vale-alimentação, o cartão-remédio e o acesso a serviços de creche.

A MP assinada em novembro por Bolsonaro prevê a quebra o monopólio da Casa da Moeda na fabricação de papel-moeda, de moedas metálicas, de cadernetas de passaporte e na impressão de selos postais e fiscais federais (aqueles que vão em bebidas e cigarros). A privatização da Casa da Moeda é um verdadeiro atentado à soberania nacional porque vai tirar do Brasil a possibilidade de determinar até mesmo a produção de seu meio circulante, fundamental para a economia do país.

Luta contra os aumentos da tarifa de transporte em SP

Realizado na última quinta (9/01), o segundo ato contra o aumento da passagem em São Paulo foi novamente reprimido pela PM (Polícia Militar). Bombas de gás lacrimogênio e balas de borracha foram usadas contra manifestantes na dispersão do ato, organizado pelo MPL (Movimento Passe Livre). A PM também agrediu e revistou jornalistas durante o ato.

Durante a primeira manifestação contra o aumento das passagens, dia 7/1, a repressão policial começou quando manifestantes tentaram fazer o “catracaço”: não pagar a passagem como forma de protesto, no Metrô Trianon/Masp.

Apesar da repressão nos dois atos realizados até agora, uma nova manifestação foi marcada para a próxima quinta-feira (16), a partir das 17h, no Theatro Municipal de São Paulo.

A luta em São Paulo é contra o aumento da tarifa, de R$ 4,30 para R$ 4,40; o corte centenas de linhas; o corte na integração do vale-transporte; a redução da frota de ônibus e o fim das limitações no bilhete único.

Cerca de 250 milhões aderem às mobilizações contra a perda de direitos na Índia

Desde quarta-feira passada (8), milhões de trabalhadoras e trabalhadores na Índia iniciaram greve geral e se mobilizam por emprego, melhores condições de trabalho e melhores salários. O movimento cresceu, tendo a participação de trabalhadores da saúde e outras categorias como bancários, petroleiros, mineradores, além de rurais e estudantes. Cerca de 250 milhões de pessoas aderiram à convocação de luta.

Os trabalhadores também têm levado às ruas a rejeição aos planos de privatização do governo de direita de Narendra Modi e protestam contra a emenda à Lei de Cidadania que fixa novos critérios para reconhecimento de cidadãos a estrangeiros com base da religião, excluindo os muçulmanos e aumentando ainda mais a perseguição local contra esse segmento da população.

Em greve, trabalhadores da educação do RS lutam por salários e plano de carreira

Iniciada em 18 de novembro do ano passado, a greve dos trabalhadores da educação do Rio Grande do Sul prossegue. Além de estarem sem o décimo-terceiro salário, os educadores gaúchos estão com seu plano de carreira ameaçado por uma ‘reestruturação’, imposta pelo governador Eduardo Leite (PSDB), que na prática destrói o plano. Outro ataque do governo é um aumento indiscriminado sobre as contribuições previdenciárias dos trabalhadores.

No Rio Grande do Sul, o Piso Nacional do Magistério não é respeitado para toda a categoria. Os demais níveis da carreira, por exemplo, não recebem os reajustes anuais previstos em lei. O caos na educação gaúcha atinge profissionais de educação, escolas e estudantes.

Em resposta, os trabalhadores da educação querem ampliar as mobilizações e unificá-las com outras categorias do funcionalismo estadual, também atingidas pelos pacotes do governo.

Destaques