Ato no EDISE busca trazer o administrativo para a greve

Ainda nesta segunda, foi realizado um ato numa das entradas do EDISE, na Rua Lélio Gama. Organizado pela Comissão de base local, com apoio do sindicato, reuniu cerca de 120 pessoas dentre trabalhadores do EDISE e de outros prédios administrativos, do TABG, do COMPERJ e de plataformas do Pré-Sal.

O ato teve como objetivo marcar a importância dos trabalhadores das áreas administrativas participarem da greve. “O operacional está forte na greve e o administrativo precisa desmontar dois mitos”, pontuou Antony Devalle. “O primeiro mito é que o administrativo não para. Ainda que raro, para, sim, como na greve de 1995, quando uma parcela razoável de trabalhadores do EDISE participaram do movimento. O segundo mito, ainda mais poderoso, é que não adianta o administrativo parar. (…) Cada vez mais automatizada, diversos sistemas que interagem com a área operacional são parcialmente controlados de áreas administrativas, e grande parte dos pagamentos dos mais diversos fornecedores é feita nessas áreas” – disse Anthony ao considerar que a greve do administrativo certamente gera impactos relevantes.

O próximo ato no EDISE está marcado para quarta 12/02, às 12h.

 

Versão do impresso  Boletim 190

Comente com o facebook
Compartilhe: