NÃO ASSINE O PCR! PCR E VOCÊ, NADA A VER! Untitled 1

NÃO ASSINE O PCR! PCR E VOCÊ, NADA A VER!

NÃO ASSINE O PCR!
PCR E VOCÊ, NADA A VER!
POR QUÊ?

QUALIFICANDO OS PERCENTUAIS : 1) Cerca de 18% do total de empregados próprios é composto por pessoas com função gratificada que, como já dissemos por aqui, não impactam na mobilidade dos empregados sem função; 2) Pelo menos 25% é composto por pessoas aposentáveis e aposentadas, que podem sair a qualquer momento da empresa. Isso acabará por esvaziar o PCR e junto enfraquecerá as ameacas da Petrobrás relativas ao PCAC; 3) Uma parte considerável daqueles que não aderiram ao PCR são de área operacional. A área operacional é aquela que demonstra maior disposição para paralisar, com impactos imediatos na produção. Por isso, tem mais poder de pressão junto à empresa. Não à toa a empresa tenta retirar o pagamento de hora extra, que atinge especialmente esta área e não o fazem. Desta forma, estar com a área operacional é estar mais fortalecido nas negociações de ACT, por exemplo.

CARGO GENÉRICO – Não tenha dúvidas de que o maior objetivo dos cargos genéricos é possibilitar à empresa usar o trabalhador sem restrição, colocando-o para fazer qualquer coisa, independente de sua concordância, sob o argumento clássico usado no mercado: “aqui, você antes do específico é cargo amplo”. Ou seja, sua formação e qualificação ficam em segundo plano.
E pelo que você será avaliado?
Terá as mesmas condições para realizar o que o designarem, aleatoriamente à sua formação ou experiência, com qualidade? Pois não se engane, você não será colocado somente para atividades com a qual você estiver de acordo.
E sua avaliação no GD pode justificar sua demissão, segundo os planos atuais da empresa. Pelo que você quer ser avaliado? Sua avaliação será cada vez mais um cheque em branco.

“MERITOCRACIA”? Mesmo que você alcance as metas, você não será necessariamente contemplado no ANPR. Aliás, a maior probabilidade é a de que a maioria não o seja, tanto em função da restrição de verba para ANPR, quanto porque será cada vez mais estimulada a concessão de mais de um nível por pessoa a fim de intensificar a “meritocracia”. Também não haverá avanço de nível garantido em 2 anos e, certamente, vocês conviverá com relações mais selvagens e adoecedoras de trabalho. A intenção da gestão não é reconhecer a meritocracia, mas aumentar a competitividade entre os trabalhadores e sua fragmentação.

Reforçando: se a intenção fosse apenas a “meritocracia”, haveria verba para contemplação de todos aqueles que alcançaram suas metas.

FISCALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DE CONTRATOS – O enquadramento da “fiscalização técnica e administrativa de contratos de bens e serviços” como finalidade da ênfase, a retirada de uma condição de uma atividade possível de ser realizada, passando a compor a razão de ser da sua atividade, uma das razões de ser de sua contratação. Isso quer dizer que a resistência que parte dos trabalhadores conseguia fazer para não realizar tal atividade será extremamente atacada pela empresa, sob este argumento.

MATERIALIDADE: Após algum tempo em vigor do PCR, teremos materialidade o suficiente para demonstrar qualquer prejuízo que os trabalhadores do PCAC possam ter em não aderir ao PCR, seja relativo à mobilidade, oportunidades de capacitação, financeira ou outros. Com materialidade, é mais fácil comprovar judicialmente qualquer prejuízo que a empresa queira imprimir a quem permaneceu no PCAC. Falta de isonomia!

MOBILIDADE: A Petrobrás não tem porque demitir ou sustentar a não participação dos PCAsenses no Mobiliza Contínuo. Isso configurará uma clara discriminação, além de contradizer o discurso da Empresa de que a ênfase é imediatamente correspondente ao cargo. No material utilizado pelos gestores para apresentação sobre o PCR, o texto diz o seguinte: “O enquadramento na ênfase guardará relação direta com a área de conhecimento dos atuais cargos do PCAC”. Então, como justificar legalmente qualquer diferença de tratamento para mobilidade ou para utilização como
critério para qualquer outra maldade dessa gestão?

OBS: Caso esse projeto de privatização e enxugamento da empresa continue da forma como está hoje, não se enganem: a tentativa de demissão não se restringirá ao critério PCR e PCAC.

NÃO ASSINE!

AINDA SOMOS MUITOS(AS)!
A LUTA POLÍTICA E JUDICIAL CONTINUAM PÓS DIA 14/09.

SINDIPETRO RJ/ FNP

NÃO ASSINE O PCR! PCR E VOCÊ, NADA A VER! n  o assine

Comente com o facebook
Compartilhe:


Aumentar a fonte
Alto Contraste