Vanusa: um ano de impunidade

Depois de um ano da morte de Vanusa da Conceição Amorim(30/06), trabalhadora da empresa da Nova Rio no Cenpes, nada aconteceu aqueles que a impediram de deixar o local de trabalho e receber atendimento médico adequado, impondo a jornada completa a uma pessoa que se queixava de mal estar desde sua chegada ao Cenpes. Vanusa deixou o serviço às 21h30, encontrou-se com a família e foi prontamente internada no Hospital Maria Madalena, na Ilha do Governador, logo encaminhada para o CTI.

Vanusa, 45 anos, mãe de dois filhos, moradora da Maré, funcionária de limpeza da Nova Rio e que trabalhava há 11 anos no Cenpes, faleceu, 18 dias após ser internada, por problemas de coração e respiratórios.

O Sindipetro-RJ cobrou justificativa da empresa Nova Rio, durante as reuniões da Comissão Local, sobre porque a empregada foi impedida de deixar o serviço. O que recebeu como resposta foi a apresentação de um “documento” onde se alegava que Vanusa não buscou atendimento por que não quis. Nada foi verdadeiramente apurado e os responsáveis pela situação absurda nunca foram identificados e punidos.

Versão do impresso Boletim LXXVIII

Comente com o facebook
Compartilhe:


Aumentar a fonte
Alto Contraste