7 de setembro tem Grito dos Excluídos

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Manifestações são por participação popular, saúde, comida, moradia, trabalho, renda, em defesa do serviço público e contra a privatização das estatais

Na terça (31), entidades do movimento social divulgaram locais e horários para as manifestações previstas para o feriado na próxima terça-feira.

Há 27 anos, no Dia da Independência do Brasil, é realizado o Grito dos Excluídos com ocupação de praças e ruas em várias cidades pelo país. Carregado de simbolismo, o evento visa a união plural de pessoas, grupos, entidades, igrejas e movimentos sociais comprometidos com as causas dos excluídos.

Neste ano, o tema é “Vida deve estar em primeiro lugar”. Os organizadores centram a denúncia do descalabro das mais de 580 mil vítimas de COVID-19 que tiveram o direito à vida negado e a destruição das conquistas sociais causada pelo desgoverno Bolsonaro.

A movimentação já conta com a confirmação de atos em todas as capitais e muitos municípios.

No Rio de Janeiro, a concentração do Grito dos Excluídos vai ser a partir das 9h na rua Uruguaiana – Centro.

Bolsonaristas também irão às ruas – No Rio, vão à praia de Copacabana

Convocados por apoiadores do desgoverno, os bolsonaristas também vão estar ocupando praças e ruas no feriado.

Bolsonaro tenta recorrer ao seu decrescente apoio popular depois que passou a ser investigado em inquéritos no STF e no TSE por ter afirmado que não haverá eleições em 2022 sem a adoção do voto impresso.

Apesar do agito nas redes sociais e de anúncios como, por exemplo, de caravanas que sairão de 10 estados para engrossarem o público em Brasília, a adesão pró-governo por parte de civis e militares, segundo informações publicadas na mídia empresarial nos últimos dias, está em baixa. Não era pra menos, diante das provas de corrupção e depoimentos da CPI, por exemplo, em que o motoboy da VTClog, confirmou o pagamento de boletos em dinheiro, boletos estes que a quebra de sigilo vincula o recebimento por diretor do Ministério da Saúde.

Vamos ao 7 de setembro dos trabalhadores. Vamos ao Grito dos Excluídos! 

Compartilhe!

Destaques