FNP em solidariedade a petroleiro argentino preso político de Macri e do neoliberalismo

Na quinta-feira (12) ocorreu na Argentina um grande ato pela liberdade do petroleiro argentino Daniel Ruiz, que contou também com uma Jornada Internacional com diversas ações em frente às embaixadas argentinas pelo mundo. A FNP esteve presente em Buenos Aires representada por seus coordenadores Adaedson  Costa (Sindipetro-LP) e Eduardo Henrique (Sindipetro-RJ).

No dia 12 de setembro de 2019 se cumpriu um ano da prisão de Daniel Ruiz, que é militante do PSTU e candidato a deputado pela  FIT-Unidade de Chubut. Ruiz está preso por ter participado, junto a milhares de trabalhadores e trabalhadoras, de uma mobilização contra a reforma previdenciária do presidente Macri. O petroleiro argentino iniciou na última terça (10) uma greve de fome.

Eduardo Henrique, que conviveu com Daniel Ruiz, postou um depoimento em uma mídia social sobre o petroleiro argentino.

“Conheci Daniel há mais de 15 anos. Na época nenhum dos dois éramos petroleiros. Eu trabalhava como programador e militava junto à Juventude da Frente Operária Socialista em Quilmes, Berazategui, capital (Buenos Aires). Danielito era um jovem de família trabalhadora da Patagônia, “piqueteiro”, como chamavam o movimento de desempregados que organizavam protestos e bloqueio de estradas reivindicando postos de trabalho. Assim, se tornou operário petroleiro. Depois de 2003 nos encontramos um par de vezes em Buenos Aires e São Paulo, eu já na Federação e ele delegado petroleiro de Chubut (província da Região da Patagônia). Desembarcando desta vez no Ezeiza (aeroporto), a sensação foi diferente. Ao invés do Guebara ou do Boliche de Roberto, vou visitar o presídio de Marcos Paz. Nele, há exatamente um longuíssimo ano, está injusta e ilegalmente encarcerado o companheiro Daniel, que começou ontem (10) uma greve de fome! Aqui fora, todo esforço é pouco para lutar por sua liberdade já!” – escreveu.

 

Protesto por comida

Na quarta (11), a delegação da FNP presenciou um ato com centenas de famílias que iniciaram um acampamento por 48h em frente ao Ministério de Desenvolvimento Social, reivindicando aumento e expansão do plano de assistência. A concentração é em plena Avenida 9 de julho, principal via de Buenos Aires. “Lutando por comida, sim esta é a reivindicação, em frente ao Ministério Desenvolvimento Social, pois não conseguem alimentar suas famílias, sem emprego e com ajuda que não basta. O semblante é sempre o mesmo, desespero!” – relata Adaedson em uma postagem em seu perfil de uma mídia social. Ainda nesta quinta (12) está sendo votada no congresso argentino uma lei sobre emergência alimentária, por isso o acampamento nesta data.

Vale lembrar que a Argentina vive uma grave crise econômica por conta das reformas neoliberais implementadas por seu presidente Mauricio Macri, as mesmas do governo Bolsonaro, que ainda tenta releição no pleito presidencial que será disputado em outubro próximo.

 

 

 

Comente com o facebook
Compartilhe: