Maioria da base do Sindipetro-RJ vem rejeitando proposta da Petrobrás e aprovando greve dia 3/1

Na base do Sindipetro-RJ, as assembleias estão rejeitando a proposta da Petrobrás e aprovando o indicativo de greve da FNP a partir do dia 3/1. Votaram massivamente contra a proposta da empresa e aprovaram a greve as bases de Edise, Ventura, Senado, Edicin, Edihb e Cenpes, além de Transpetro (sede), CNCL (Grupos), Comperj, Fronape (Caju), Tevol, TABG, TBG, Brasfells e Tebig. Em todas as assembleias, incluindo as de aposentados, os petroleiros também estão aprovando a realização de manifestações contra a terceirização da Operação do Cenpes e do Edise, na próxima quarta-feira (27/12). A manifestação do Cenpes será a partir das 7h, na Praça das Bandeiras; a do Edise será ao meio-dia, em frente ao Edifício-Sede.

A proposta da empresa significa a perda de direitos e retrocessos em inúmeras cláusulas do atual ACT. Além do reajuste pífio de 1,73% (que não repõe as perdas salariais passadas), a empresa quer mudar, de mutuário para coparticipação, o sistema de funcionamento do Benefício-Farmácia. Assim, quando o petroleiro for utilizar o Benefício-Farmácia, terá de pagar um percentual proporcional ao preço do medicamento adquirido, o que, no caso dos medicamentos de maior custo, torna-se um peso insuportável.

A proposta de ACT da empresa também precariza o funcionamento das CIPAs, na medida em que não assegura, aos membros das comissões internas de prevenção de acidentes, o pagamento de horas extras quando as atividades das CIPAs são realizadas fora dos horários de trabalho. Ou seja: muitas CIPAs deixariam de funcionar.

Outro retrocesso: a mudança na AMS, da modalidade ‘livre escolha’, aumentando de 15 para 30 dias o prazo de reembolso, sem extensão aos aposentados. Para saber mais sobre os retrocessos propostos pela empresa, clique aqui e leia o boletim especial sobre o ACT.

Por isso e muito mais, os petroleiros estão rejeitando a proposta e aprovando o indicativo de greve a partir do dia 3/1.

Assembleias das outras bases da FNP também rejeitam proposta e aprovam greve

Além do Rio de Janeiro, as assembleias de petroleiros dos demais sindicatos que compõem as bases da FNP estão rejeitando a proposta da Petrobrás e aprovando o indicativo de greve para o dia 3/1, mostrando que a categoria está consciente quanto à necessidade de lutar (agora) por um ACT sem perdas de direitos. As assembleias nas bases da FNP acontecem até esta sexta-feira (22/12).

Em São José dos Campos (SP), a primeira rodada de assembleia na Revap rejeitou, na última segunda (18), a proposta de ACT da empresa.

Na base do Sindipetro-LP (SP), assembleias realizadas nesta quarta-feira (20) em Santos, subsede e plataformas (Merluza, Mexilhão e P66) também rejeitaram a proposta da Petrobrás e aprovaram o indicativo de greve a partir do dia 3/1. Os petroleiros reafirmaram que, sem garantia de pleno emprego  e com retirada de direitos, não tem acordo.

Em Sergipe, além da sede da Petrobrás, a proposta da empresa foi rejeitada pelas assembleias realizadas na quarta (20) em Jordão, Riachuelo, Complexo de Atalaia, Laranjeiras e Carmópolis. Em Alagoas, a proposta foi rejeitada em Pilar, Furado e Terminal Aquaviário de Alagoas. Todas as assembleias de Sergipe e Alagoas aprovaram o indicativo de greve a partir do dia 3/1.

No Amazonas, a assembleia realizada no prédio da empresa em Manaus rejeitou a proposta e aprovou greve dia 3/1, o mesmo ocorrendo na assembleia da Transpetro de Belém (PA).

 

 

 

 

Comente com o facebook
Compartilhe: