Plenária Nacional Intercategorias debate formas de impedir privatizações e reforma da Previdência

A unidade das categorias contra reformas de Bolsonaro foi a pauta principal do evento

No último sábado (2) Brasília recebeu a Plenária Nacional Intercategorias que reuniu 54 entidades de petroleiros, educadores, ecetistas, servidores públicos, jornalistas e movimentos sociais de todo o Brasil.

O evento realizado na UnB foi organizado pela FENTECT – Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos Similares, tendo por objetivo discutir estratégias  de enfrentamento conjunto aos ataques que estão sendo feitos aos direitos dos trabalhadores. O Sindpetro-RJ e FNP estiveram presentes com seus representantes participando de uma mesa sobre privatização.

“O Sindipetro RJ e a FNP marcaram presença na Plenária Intercategorias, acumulando forças para a construção da unidade de ação do movimento sindical e popular para impedir as privatizações, a reforma da previdência e demais ataques do Governo Bolsonaro” – disse Eduardo Henrique, diretor do Sindicato e da FNP.

Plenária Intercategorias – Um chamado para a Assembleia Nacional dos Trabalhadores

Petroleiros relatam como foram as atividades da Plenária Intercategorias realizada no último dia 2 de fevereiro em Brasília e fazem um chamado para a Assembleia Nacional dos Trabalhadores que será realizada no próximo dia 20 de fevereiro em São Paulo.O Sindipetro-RJ disponibilizará um onibus para os petroleiros que desejarem participar da Assembleia Nacional, com saída da sede da Avenida Passos, 34, na noite do dia 19/02 e retorno na noite do dia 20/02. Inscrições pelo whatsapp da entidade (21 99607-9083), com nome completo, identidade e unidade de trabalho.

Posted by Sindipetro-RJ on Tuesday, February 5, 2019

Com a presença de representantes das centrais sindicais, responsáveis por conduzir a análise de conjuntura, os debates seguiram para o tema das reformas trabalhista e previdenciária, que contou com a participação de Sarah Campos, da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia, que fez uma explanação sobre as consequências da reforma trabalhista – inclusive diante do recente fato do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho (MG), maior acidente de trabalho da história do país e que limitou o recebimento de indenizações das vítimas a um teto. Inclusive, a delegação petroleira defendeu a reestatização da Vale

A jurista também apresentou a diferença dos projetos relacionados à previdência, ressaltando os riscos do modelo de capitalização proposto pelo atual ministro da Fazenda, Paulo Guedes, cuja forma beneficia o mercado e suas variações, enquanto os trabalhadores perdem a garantia de um regime público.

O encontro encaminhou propostas a serem sistematizadas pela diretoria da FENTECT, junto com um calendário de lutas e a nota de apoio e solidariedade às vítimas do crime da Vale.

Ainda, na plenária foi tratada a organização de mobilização do dia  20 de fevereiro convocada pelas Centrais contra a reforma da Previdência.

Fonte: FENTECT

Comente com o facebook
Compartilhe:


Aumentar a fonte
Alto Contraste