Nos 68 anos da Petrobrás, petroleiros realizam atos contra a privatização e em defesa da vida

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Em celebração ao aniversário da Petrobrás, que neste domingo (03/10) completa 68 anos de criação, o Sindipetro-RJ promoveu atos na manhã desta sexta-feira (01/10), na entrada do expediente,no EDISEN e no CENPES

 

https://www.facebook.com/sindipetrorj/posts/6670985829610138

 

Nesta sexta-feira (01/10), o Sindipetro-RJ promoveu no CENPES e no EDISEN atos simultâneos em que denuncia o processo de desmonte e privatização da Petrobrás. Sindicato promoveu também mais uma ação da Campanha da Solidariedade Petroleira, distribuindo gás de cozinha subsidiado para favela do Fundão.

O Sindicato denuncia a política de desmonte e privatização que a Petrobrás promovida no atual governo, e nos anteriores, que causa demissões, retirada de direitos dos trabalhadores e precarização de benefícios como APS (antiga AMS) e Petros.

Neste contexto, não podemos esquecer o que o governo e a gestão neoliberal da empresa estão fazendo com a Petrobrás Biocombustível (PBIO), mais um ativo importante da Petrobrás que está sendo privatizado, o que tende a encarecer ainda mais os derivados, já que, por exemplo, o diesel possui no Brasil um composição de 13% de biodiesel.

Também foi denunciada a forma como a direção da empresa vem conduzindo o retorno ao trabalho presencial em meio à pandemia da COVID-19, sem ouvir e consultar o Sindicato, quando o Brasil se aproxima de 600 mil mortes.

Segundo o Boletim de Monitoramento do Ministério de Minas e Energia (MME), em sua recente edição,78ª, a Petrobrás, durante este período da pandemia conta com 8.316 casos de COVID-19, com 8.181 recuperados, 78 internados e em quarentena e 57 mortes (35 em teletrabalho, 20 em presencial e 02 em situação de férias).Vale ressaltar que o boletim do MME não considera em seus levantamentos trabalhadores terceirizados

Atos no EDISEN e CENPES

No EDISEN, o Sindicato alertou para os perigos do retorno ao presencial em um prédio que não possui janelas, submetendo quem retorna a um ambiente de grande risco de contaminação, por conta do sistema de ar-condicionado.

Cabe lembrar que na tarde de quinta-feira (30/09), a juíza Priscilla Azevedo Heine decidiu liminarmente sobre o pedido de tutela e, embora não tenha concedido integralmente a tutela de urgência requerida pelo Sindicato, ponderando os argumentos apresentados por ambas as partes, alterou os parâmetros para o retorno ao trabalho presencial, acatando assim, algumas das ponderações feitas pelo Sindicato.

Dentre os pontos principais dessa decisão, está a proibição judicial do retorno de pessoas do grupo de risco, pessoas com deficiência e pessoas sem ciclo vacinal completo,independente de decisão gerencial. A empresa também está obrigada a retornar em modelo híbrido, ou seja, os trabalhadores deverão trabalhar de modo presencial no máximo até dois dias na semana.

A empresa também está judicialmente obrigada a fornecer máscaras continuamente para os trabalhadores, garantir distanciamento físico entre as estações de trabalho e garantir que as estações de trabalho sejam higienizadas após cada uso.

Confira a reportagem completa sobre a decisão judicial (https://sindipetro.org.br/voltacriteriosprotetivos1/ )

Distribuição de gás de cozinha subsidiado

No CENPES aconteceu uma ação da Campanha da Solidariedade Petroleira que distribuiu 50 botijões de gás de cozinha subsidiados para moradores da Vila Residencial da UFRJ do Fundão.

Em nome da garantia dos lucros de seus acionistas/especuladores, a direção da Petrobrás precariza trabalhadores na pandemia e aplica uma política de preços – Preço de Paridade Importação (PPI), que adiciona custos de importação de derivados , somados às variações do dólar e do petróleo internacional, sobre o preço final de produtos essenciais para a população como gasolina, diesel e gás de cozinha, fazendo que seus valores, somente no ano de 2021, em média, tenham subido mais de 30%

Nesta sábado (02/10), a partir de 10h, o Sindipetro-RJ vai participar ativamente do ato #ForaBolsonaro que terá concentração inicial na Candelária.

Convidamos, todos, a lutar pelo fim da política de PPI, contra o desmonte e privatização, contra o aparelhamento da Petrobrás, contra o confisco das aposentadorias e a destruição do plano de saúde, contra a retirada do teletrabalho na pandemia… em defesa da vida!

Fora Bolsonaro, Mourão, Paulo Guedes!

Destaques